Fontes alternativas de energia

A energia elétrica é fundamental para o desenvolvimento dos países e a qualidade de vida das pessoas. Quanto mais os países se desenvolvem, mais se torna necessário aumentar a produção de energia. Ao mesmo tempo, também é preciso preservar o meio ambiente, utilizando com consciência os recursos naturais.

Por isso, além de ampliar a capacidade de geração de energia elétrica melhorando o aproveitamento de fontes convencionais, também é necessário desenvolver tecnologias para a utilização de novas fontes energéticas - as chamadas fontes alternativas de energia.

Energia eólica
A energia dos ventos, conhecida como eólica, é utilizada há muitos anos, para realizar trabalhos como bombear água e moer grãos. Recentemente, passou a ser considerada uma das mais promissoras fontes alternativas de energia.

Em uma usina eólica, a conversão da energia é realizada por meio de um aerogerador, ou seja, um gerador de eletricidade acoplado a um eixo que gira com a força do vento nas pás da turbina. Para isso, os ventos precisam ter velocidade média anual superior a 3,6 metros por segundo. Além disso, as turbinas eólicas podem ser utilizadas em conexão com redes elétricas já existentes ou em lugares isolados.

No Brasil, alguns parques eólicos já estão em funcionamento e outros devem entrar em operação nos próximos anos. A Eletrobras, por meio de suas empresas, tem participação em empreendimentos nas regiões Sul e Nordeste. Um deles é a Central Geradora Eólica Casa Nova, na Bahia. Outro exemplo é o Complexo Eólico Cerro Chato, no Rio Grande do Sul, na fronteira com o Uruguai.

Energia solar
A energia solar pode ser aproveitada para a produção de eletricidade e de calor. Coletores solares para o aquecimento de água são um dos exemplos mais bem-sucedidos da aplicação de energia solar em todo o mundo.

No caso do Brasil, que recebe uma incidência muito grande de raios solares, esse tipo de aproveitamento pode ter um papel muito importante, principalmente na substituição de chuveiros elétricos, que estão entre os aparelhos que mais consomem energia.

A instalação de painéis fotovoltaicos para absorver a energia solar é uma solução para levar eletricidade para residências, escolas e postos de saúde em regiões que ainda não possuem serviço regular de distribuição de energia elétrica.

Uma ação desse tipo é o projeto-piloto de Xapuri, que forneceu e instalou kits com painéis fotovoltaicos, quadros de distribuição, pontos de luz e lâmpadas para famílias e escolas de comunidades seringueiras da Reserva Agroextrativista Chico Mendes, em Xapuri, no Acre. O projeto é uma iniciativa da Eletrobras e da Eletrobras Distribuição Acre em parceria com o GIZ, órgão alemão de cooperação técnica, dentro do Programa Luz para Todos, do governo brasileiro.

Biomassa
Chamamos de biomassa materiais de origem orgânica que geralmente são desperdiçados em processos industriais. Ela pode ser aproveitada para produzir tanto calor como eletricidade.

Existem projetos de geração termelétrica que utilizam como combustível o bagaço da cana - antes desprezado pela indústria do álcool e do açúcar - e outros que produzem energia a partir da queima da casca do arroz e dos resíduos da indústria do papel.

O biogás, obtido na decomposição do lixo orgânico, é outro exemplo de biomassa que pode ser utilizada na produção de energia.

Desenvolvido em propriedades rurais dedicadas à suinocultura no Sul do país, numa região na divisa do Brasil com a Argentina, o Projeto Alto Uruguai tem como objetivo promover o uso de dejetos de suínos para alimentar biodigestores e, com o gás gerado, produzir energia elétrica. O biodigestor é um equipamento que transforma materiais diversos, como dejetos animais e resíduos vegetais, em biogás e adubo.

O Projeto Alto Uruguai é uma parceria entre a Eletrobras, a Eletrobras Eletrosul, a Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR/UFRJ), o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e as 29 prefeituras da região.

Pequenas centrais hidrelétricas (PCHs)
Existem várias razões técnicas que definem o tamanho das usinas hidrelétricas. As mais importantes são o volume de água do rio, as características das suas quedas e as necessidades dos consumidores que a usina vai atender. Além disso, os estudos também consideram as questões econômicas e os aspectos sociais e ambientais da região onde a usina será construída.

Uma usina é considerada uma pequena central hidrelétrica (PCH) quando sua capacidade instalada é superior a 1 MW e igual ou inferior a 30 MW e a área do seu reservatório tem até 3 km2. Para ter uma ideia do que isso significa, Itaipu tem uma potência instalada de 14 mil MW e seu lago ocupa 1.350 km2.

Em uma PCH típica, normalmente, o reservatório não permite a regularização do fluxo da água do rio. Assim, em época de seca, quando o reservatório da usina fica mais vazio, as turbinas às vezes param de funcionar. Por esse motivo, o custo da energia elétrica produzida por uma PCH é maior que o de uma usina hidrelétrica de grande porte.

Entretanto, as pequenas centrais hidrelétricas geram poucos impactos ambientais e podem produzir energia em regiões isoladas, que possuem rios pequenos e médios.

A Eletrobras investe em projetos do gênero, como as PCHs Barra do Rio Chapéu e João Borges, localizadas em Santa Catarina.

Energia dos oceanos
Existem duas maneiras de aproveitar a energia dos oceanos: pela força das marés, associada às correntes marítimas, e pela força das ondas, que tem maior potencial de exploração.

Vários sistemas para extração desse tipo de energia já estão em fase de teste, divididos em dois grupos: sistemas de costa, localizados em águas de baixa profundidade, entre oito e 20 metros; e sistemas em águas profundas (offshore), em profundidades entre 25 e 50 metros. Nos dois casos, os geradores de energia podem ser flutuantes ou submersos.

+ Conheça também as razões para apostar nas hidrelétricas
+ Saiba como a energia elétrica é gerada no Brasil

Página Principal
Site Eletrobras
Fontes alternativas
de energia

Imagem para contabilização de acessos a páginas
 

Imagem para contabilização de acessos a páginas