pixel
 
pixel
pixel
cadastro | dúvidas | fale conosco | links | mapa do site  
pixel
pixel
Busca:
pixel
pixel
pixel
pixel

Áreas Temáticas

Resultados do Procel

Selo Procel Edificações

Pesquisa de Posse e Hábitos

Potencial de EE para Indústria

Eficiência nas escolas

Aquecimento solar de água

Dicas
  Você está em: Procel Info »  Notícias e Reportagens »  Notícias
Notícias
voltar

30.09.16
|
MG é o Estado que mais recorre à energia solar em todo o país
Fonte: O Tempo Online - 30.09.2016
Divulgação
Minas Gerais - Ter uma pequena usina de geração de energia no quintal ou no telhado de casa é uma opção cada vez mais comum no Brasil e, em especial, em Minas Gerais. De cada cem micro ou minigeradores de energia solar – conhecidos como painéis solares –, 24 estão no Estado, que lidera o ranking feito pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

No país, são 5.040 microusinas de todos os tipos – solares, de biomassa, gás, pequena central hidrelétrica e outras –, mas 4.555 são solares. Minas Gerais tem 1.226 destas, quase o dobro de São Paulo, o segundo colocado, com 711 instalações. Do total espalhado em território mineiro, mais de 70% está em residências.

Uberlândia, no Triângulo Mineiro, é a cidade com maior número de painéis solares no Brasil. Em Minas, se destacam também Belo Horizonte, Sete Lagoas, Betim e Montes Claros.

A economia na conta de energia é a principal vantagem do sistema para o usuário. Dênio Alves Cassini, técnico e engenheiro de energia da Efficientia, braço da Cemig para eficiência energética, calcula que o custo para instalar um watt de potência fique entre R$ 5 e R$ 6,50. As usinas mais comuns têm pelo menos 3 kW (3.000 watts), o que significa investimento entre R$ 15 mil e R$ 19,5 mil. Essa geração é suficiente para abastecer a residência de uma família de quatro ou cinco pessoas com eletrodomésticos variados.

O valor do investimento é “recuperado” em forma de economia de energia em cinco ou seis anos. Como o equipamento tem vida útil de 20 a 25 anos, o cliente ainda terá uma grande economia.

Nos prédios da RKM Engenharia, os painéis solares estão presentes desde 1987. A diretora comercial da empresa, Adriana Bordalo, calcula que a economia na conta de energia dos moradores dos edifícios que têm o sistema seja de 50%. “O apartamento pode ficar um pouco mais caro, mas é um investimento de médio e longo prazos, porque reduz o uso de energia e o morador economiza”, afirmou.

Cassini disse que o uso do sistema vem crescendo porque a conscientização das pessoas está aumentando e também devido a uma mudança de regras que a Aneel promoveu em 2012. “Essa mudança facilitou acesso do consumidor residencial e do pequeno comerciante ao sistema”, disse. Naquele ano, a agência reguladora fixou normas para a integração das microgeradoras à rede das distribuidoras e ampliou o volume máximo de energia a ser gerado.

Como funciona. Os painéis solares instalados em casas são conectados à rede de distribuição da Cemig. Para isso, é preciso apresentar a documentação da instalação à empresa.

Como não é possível armazenar energia elétrica, a pessoa não usa, necessariamente, o que é gerado em sua casa. A energia é enviada à rede de distribuição, e o gerador fica com um crédito no mesmo volume para ser utilizado em até 60 meses.

Mesmo que produza toda a energia que gasta, o consumidor ainda paga um valor mínimo para a Cemig, por usar a rede distribuidora. Esse valor varia de acordo com a classe de consumo (residencial, comercial, industrial) e com o tipo de instalação (monofásico, bifásico, trifásico).

Vantagens para o meio ambiente

Impacto. Ao contrário da construção de uma grande usina hidrelétrica, a instalação das usinas solares não causa impactos ambientais, como alagamento de grandes áreas, por exemplo.

Renovável. A energia solar é renovável, diferentemente de outras fontes, como gás, óleo e carvão. Outro tipo de energia renovável é a eólica (dos ventos).

Limpa. A geração solar ou fotovoltaica não produz resíduos nem emite gases poluentes. Por isso, não contribui para o aquecimento global.

Barata. Depois de recuperado o investimento, a geração solar é gratuita, já que não é preciso equipamentos para produzir a energia. O sistema também demanda pouca manutenção.

Mineirão tem usina própria no teto

O torcedor que vai ao estádio não vê, mas uma usina de energia solar, com cerca de 6.000 painéis, funciona na cobertura do Mineirão desde sua reforma para a Copa do Mundo de 2014. O estádio foi o primeiro do país a ter um sistema interno de geração de energia. Hoje, os estádios Maracanã (Rio de Janeiro), Pituaçu e Fonte Nova (Salvador) e Arena Pernambuco (Recife) também geram energia solar.

A chamada usina Mineirão foi instalada em parceria com a companhia e gera energia equivalente ao consumo médio de 1.200 residências, de acordo com a Cemig. O que o estádio produz não é usado lá porque, para isso, seria necessário instalar baterias, que têm vida útil curta e não são abastecidas com energia “limpa”, como a solar.

A opção é enviar a energia gerada para a rede de distribuição da Cemig e receber a da empresa. O estádio tem “descontos” na conta de luz, que equivalem ao mesmo volume gerado por sua usina.

Selo. O Mineirão não informou qual o consumo no estádio, mas disse que é um volume inferior ao gerado pela usina, principalmente quando há jogos noturnos.

Iniciativas como a implantação da usina garantiram ao Mineirão a qualificação máxima da Leed, uma certificação internacional de sustentabilidade, adotada em 143 países – um dos selos mais importantes do mundo entregues a edificações.

Governo de Minas apresenta plano de energia em Paris

Ampliar o uso de tecnologias de aquecimento solar é um dos objetivos do Plano de Energia e Mudanças Climáticas (PEMC) de Minas Gerais, lançado em 2015 e que vem sendo implementado aos poucos. A iniciativa foi apresentada na Conferência do Clima, em Paris, nesta semana.

De acordo com o Sistema Estadual do Meio Ambiente (Sisema), o plano abrange “todos os setores que tenham impacto sobre as emissões de gases de efeito estufa e/ou que sofram os efeitos das mudanças climáticas”.

O PEMC tem ações para energia, agricultura, uso do solo, resíduos, transporte e outros. Entre as previstas para energia estão tornar a eficiência energética um requisito nas licitações para compra de equipamentos e produtos e incentivar a outras fontes.

Esta notícia não é de autoria do Procel Info, sendo assim, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do veículo original, exceto no caso de notícias que tenham necessidade de transcrição ou tradução, visto que se trata de uma versão resumida pelo Procel Info. Para acessar a notícia em seu veículo original, clique aqui.
  
Veja aqui a lista completa
Imagem para contabilização de acessos a páginas
Envie a um amigo
Imprimir
pixel
Imagem para contabilização de acessos a páginas